Um dos piores pesadelos de alguém que apresenta o trabalho de conclusão de curso (TCC) ou qualquer outra atividade universitária é a acusação de plágio acadêmico. 

Ele não apenas pode invalidar o trabalho, como também corresponde a um crime, pois é uma infração ao Direito Autoral.

Veja, abaixo, quais são os tipos de plágios que podem acontecer na academia e o que fazer para evitá-los e, ainda assim, arrasar no resultado das suas atividades!

Plágio acadêmico – o que é e como evitar | FAESF – Faculdade de Educação  São Francisco | Pedreiras – MA

ESTÁCIO: Conheça os cursos da Estácio e ganhe até 50% de bolsa! Clique aqui e saiba mais: https://matriculas.estacio.br/cursos!

O que é plágio acadêmico?

É natural que nos trabalhos realizados na academia, sejam eles de conclusão de curso, artigos ou atividades ao longo do curso, que os alunos utilizam diversas fontes e autores.

Isso é, até mesmo, uma das exigências da maioria dos trabalhos. Afinal, é preciso dar argumentos de autoridade às atividades e isso é possível por meio de outras obras.

Porém, muitas vezes os alunos incidem em plágio sem sequer perceber. Ele se constitui pelo uso de ideias, frases e criações alheias sem a concessão do devido crédito.

Portanto, é preciso reconhecer como o plágio acadêmico opera para, então, evitá-lo. Veja abaixo quais são os principais tipos de plágios.

Plágio integral

Esse é o tipo de plágio cujo reconhecimento é mais fácil. Ele corresponde à cópia, palavra por palavra, de frases já existentes em outras obras.

Quanto a obras, aliás, vale ressaltar que elas não são apenas aquelas presentes em obras consagradas de cada área. Aqui também se incluem os artigos acadêmicos, matérias online e até mesmo postagens de blog. 

Portanto, independentemente do local de origem do texto vítima de cópia, o uso corresponde a plágio acadêmico.

Plágio parcial

Esse tipo de plágio corresponde ao uso de vários trechos de diversos autores diferentes. 

Também, mesmo que se faça uso de inúmeros autores e partes de obras com o crédito aos criadores originais, algumas instituições consideram que essa atividade seria um plágio.

O que se espera, nesses casos, é que o aluno seja capaz de combinar as suas ideias e os conceitos adquiridos dos demais autores e os traga a partir de suas próprias palavras.

Entretanto, mesmo que ele não use as palavras originais, é preciso dar o devido crédito para evitar o plágio acadêmico do tipo parcial.

Plágio conceitual

Por fim, o último tipo de plágio é a cópia de um conceito desenvolvido por outro autor. Também, quando se explica um conceito, com outras palavras, sem que haja a devida determinação do autor original.

E, então,como evitar o plágio acadêmico?

Atualmente existem diversas ferramentas tecnológicas que se aplicam para o reconhecimento de eventuais plágios. Dessa maneira, é preciso tomar todos os cuidados para evitar qualquer tipo de cópia, seja ela integral, parcial ou conceitual.

Como fazê-lo você confere abaixo.

Citação direta

A primeira forma de se utilizar de outra obra como fonte para um trabalho e evitar o plágio acadêmico é pela citação direta. Nesse caso, há o verdadeiro “copia e cola”. 

Contudo, nesse caso há a definição clara de quem é o responsável por aquele conceito ou desenvolvimento. Existem duas formas bastante simples de realizar a citação direta. 

Na primeira, há apenas a citação do trecho que se deseja. Logo em seguida, cita-se o sobrenome do autor (em maiúsculas), o ano de lançamento da obra e em que página se encontra o trecho de citação.

Apenas a citação: nesse formato, você pode apenas inserir a citação do autor e adicionar as três informações sobre a obra em parênteses ao final da citação, sendo o nome do autor em letras maiúsculas.

Assim, o exemplo acima fica: “Frase”. (SOBRENOME, número do ano, página).

A outra forma de fazer a citação de maneira direta e evitar o plágio acadêmico é, primeiramente, apontar o autor, porém não em letras maiúsculas, como anteriormente. Então, entre aspas, coloca-se o que ele disse, exatamente como se encontra em sua obra. 

Ao final das aspas, por fim, deve-se colocar entre parênteses o ano de lançamento da obra, bem como o número da página que detém o trecho.

Portanto, nesse caso a citação direta ficaria: Segundo Fulano, “frase proveniente da obra” (Ano, página).

Por fim, cabe ressaltar que sempre que o trecho de citação ultrapassar três linhas é obrigatório recuá-lo na margem esquerda e 04 centímetros, bem como diminuir a fonte para tamanho 10. 

Aqui não se acrescenta aspas, mas se mantém a indicação do autor, data e página ao final.

Plágio acadêmico – Produção Acadêmica

Citação indireta

Conforme o nome desse tipo de citação já indica, ele não menciona exatamente o que o autor disse. Na verdade, aqui o aluno evita o plágio acadêmico ao relatar com suas próprias palavras uma ideia ou conceito de outro autor e, claro, dando o devido crédito. 

Contudo, ainda assim é preciso apontar o ano da obra a página em que o conceito ou desenvolvimento que foi utilizado se encontra. Por exemplo, “Segundo Fulano (ano, página), aconteceu o seguinte”.

Outra forma é simplesmente apontar “aconteceu o seguinte (FULANO, ano da obra, página).

Com essas formas de citação você evita o plágio acadêmico e garante sucesso nos seus trabalhos!

Plágio acadêmico: quais são os tipos? Como evitar?